Quais os impactos na saúde de populações expostas à múltiplos desastres naturais?

Recentemente, o município de Petrópolis, no Rio de Janeiro, foi atingido por chuvas fortes, deslizamentos e enchentes em mais de uma ocasião. Além da tragédia de mesma causa na Região Serrana do Rio, em 2011, a cidade já enfrentou, somente neste ano, dois episódios de desastres relacionados a chuvas, com intervalo entre eles de pouco mais de um mês. Sabe-se que desastres naturais são um tema importante em saúde pública, mas pouco se tem de evidências sobre quando comunidades são expostas a mais de um desastre.

Nesse sentido, em publicação de 2022 na revista científica The Lancet, pesquisadores realizaram uma revisão de escopo identificando 1.425 estudos publicados até agosto de 2021 e selecionando 150 destes, sobre os efeitos de múltiplos desastres naturais. Os estudos abordaram populações expostas a furacões, como o Katrina nos EUA; terremotos, como no Haiti; deslizamentos, como em comunidades no Rio de Janeiro; e outros, como os ataques de 11 de setembro de 2001, também nos EUA. Foram então, analisados os impactos diretos (relacionados à saúde) e indiretos (relacionados à questões sociais) na população com esse tipo de exposição, bem como as recomendações para seu enfrentamento. Os impactos diretos na saúde pública causados por múltiplos desastres são os relacionados a: saúde mental; saúde física e bem-estar e resiliência. Focaremos aqui nos dois primeiros.

SAÚDE MENTAL 

Numerosos artigos observaram altas taxas de transtornos psiquiátricos nessas comunidades, como reação aguda ao estresse, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), depressão, transtorno do pânico, e aumento do risco de suicídio. Alguns estudos demonstraram um maior risco de desenvolver esse tipo de transtorno entre aqueles expostos a mais de um desastre natural, quando comparado àqueles expostos a apenas um. Não houve evidências de que a experiência de ter passado por um primeiro desastre natural “prepare melhor” o indivíduo para passar pelo próximo; pelo contrário: os impactos parecem ser maiores no segundo. Também aumentam as chances de retorno de sintomas de TEPT experimentados durante um episódio de desastre anterior.

Como recomendações diante de pacientes expostos a múltiplos desastres, o estudo aponta: pesquisar história de outros desastres em pacientes vítimas atuais, bem como de TEPT; prover ativamente e fortalecer serviços de saúde mental em comunidades expostas a múltiplos desastres; e pesquisar transtornos mentais comuns, uso de álcool, tabaco e drogas, transtorno obsessivo compulsivo e avaliar risco de suicídio.

SAÚDE FÍSICA

De acordo com a revisão, estudos apontam que a cada nova exposição a desastres, a população parece passar a ter mais risco de desenvolver doenças como asma, diabetes, obesidade e hipertensão arterial e a ter uma pior autopercepção de saúde. O “efeito cumulativo”, em que sintomas físicos decorrentes de um segundo desastre são piores do que do primeiro, chamou a atenção em alguns estudos — embora não em todos, assim como no caso da saúde mental. Por sua vez, a própria saúde mental aparece como possível propiciadora de sintomas físicos, com o aumento de fraturas relacionado a TEPT e a insônia, por exemplo. Também foi percebida uma piora dos sintomas físicos entre aqueles que deixam seu local de moradia, quando comparados àqueles que permanecem. Nesse sentido, é essencial que os médicos estejam cientes desses maiores riscos de desenvolver doenças apresentados por essa população. É importante pesquisar a possibilidade de o paciente ter experimentado episódios prévios de desastres naturais.

São necessários esforços em conjunto, entre profissionais de saúde, poder público e comunidade, para adequar a atenção à saúde e os serviços de atendimento às populações expostas à múltiplos desastres naturais, como a de Petrópolis. É essencial lembrar que os indivíduos com as piores condições socioeconômicas são aqueles que mais necessitarão de apoio e devem ser a prioridade em um sistema de saúde baseado na equidade.

Dr. Renato Bergallo – Portal Pebmed

Compartilhar:

Outros Artigos:

Precisamos de um Conselho

A data das eleições para escolha dos nossos representantes nos conselhos de Medicina está se aproximando e mais uma vez seremos visitados por grupos das

A escolha de um caminho

O momento requer muita calma e reflexão, porém quem deixou para se decidir em período de campanha corre o risco de empenhar mal o seu