Foco no que interessa!

Dia 19 de janeiro foi a data da posse da nova diretoriada Associação Médica Brasileira (AMB). Neste evento muito importante da classe médica do Brasil, a nossa APM esteve presente a convite de seu Secretário Geral, Dr. Florisval Meinão, demonstrando seu carinho e respeito à nossa região e à Indaiatuba.

Além dos membros eleitos das 27 Federadas, estavam presentes representantes da Academia de Medicina, do Conselho Federal de Medicina, da OAB, do Ministério da Saúde, Secretário de Estado da Saúde.

Todos concordam que, tendo-se encerradas as eleições para os Conselhos e Associações Médicas, as entidades tão somente devem se dedicar à defesa da saúde da população e do exercício ético e seguro da profissão médica, sem viés partidário.

Foram elencados pontos críticos que merecem a máxima atenção de todos, tais como:

  • A abertura desenfreada de escolas médicas.
  • A qualidade da formação e da postura dos egressos.
  • As fortes pressões que buscam deslocar a medicina, enquanto prática humanista, para o campo dos negócios e da política.
  • A demanda dos municípios do estado de São Paulo junto à AMB por capacitação de profissionais médicos, só prova que quantidade não é qualidade e nunca será.
  • A usurpação do Ato Médico em escala epidêmica.
  • O desinvestimento no SUS.
  • A contaminação política, que enfraquece e esvazia os debates necessários sobre a real e legitima demanda em saúde para a nossa população.
  • Os riscos contratados em detrimento da classe médica, sobretudo em desfavor da população, pelas reincidentes políticas equivocadas cujos frutos serão muito amargos.

Há formal recomendação da AMB para não cair na armadilha da politização que cega, divide e empobrece sobremaneira os debates, pautar-se sempre na medicina baseada em evidências e ter as autoridades médicas e cientificas como referência.

Dr. Gabriel C. Alvarenga – Presidente da APM Indaiatuba

Compartilhar:

Outros Artigos:

Febre maculosa brasileira

Morte por Febre Maculosa Brasileira (FMB) na nossa região aumenta alerta sobre a doença. Mas quem tem que se preocupar? Essa pergunta é fácil de