Filme: Nada será como antes

O documentário “Nada Será Como Antes” destaca um desses momentos luminosos da nossa MPB, em que um grande número de músicos, compositores, letristas, produziu um trabalho inovador e de altíssima qualidade, a partir de Minas Gerais.

Na origem, no cruzamento entre as ruas Paraisópolis e Divinópolis, em Belo Horizonte, num bar onde se reuniam, entre outros, Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, Wagner Tiso, Toninho Horta. Daí surgiu um movimento musical que resultaria em um disco histórico, reconhecido como um dos melhores já realizados no Brasil: o álbum duplo, em LP, Clube da Esquina, de 1972.

Participam do disco os nomes citados no poster do filme, mostrado acima, outros mais e um ilustre ausente, Fernando Brant (1946 2015), coautor de alguns dos maiores êxitos da carreira de Milton Nascimento. Todos, os mais e os menos importantes, têm espaço no filme para falar do seu trabalho e do conjunto, expondo sua visão daquele histórico momento musical de que participaram.

Clube da Esquina é um feliz encontro de uma turma que se alimentava de jazz, música erudita, música afro, rock progressivo, Beatles, cinema e movimento estudantil de resistência à ditadura militar. Essas influências são citadas e mostradas pelos integrantes do Clube da Esquina, hoje senhores já idosos. E há quem aponte as montanhas mineiras como elemento essencial da criação musical que se fazia por lá, com altos e baixos, e picos pouco comuns aos que fazem música ao nível do mar, como o pessoal da Bossa Nova.

Seja como for, a diretora carioca Ana Rieper soube explorar muito bem em seu filme essa criatividade mineira, rica em diversidade, mas com um espírito coletivo admirável. Na base da amizade, se construíram grandes e variadas parcerias, sessões musicais empolgantes, e cada um deles preservou sua identidade musical.

O grupo pôde contar, como divulgador, com um dos maiores cantores que já apareceram no Brasil: Milton Nascimento, uma voz belíssima, um timbre marcante, falsetes magníficos e um bom gosto de admirar como compositor. Essencial relembrar tudo isso que, felizmente, está disponível ao nosso desfrute. E que nos orgulha.

Fonte: Cinema com Recheio – Antonio Carlos Egypto

Compartilhar:

Outros Artigos:

Novas Portarias – Telessaúde

Diante do uso da tecnologia na medicina, que foi acelerado pela pandemia do coronavírus, agora em junho de 2022, o Ministério da Saúde publicouduas novas