Fevereiro Laranja e a conscientização sobre a Leucemia.

No mês de fevereiro, uma das cores que ganha destaque é a laranja, trazendo um tema campanha ímpar:
A campanha sobre a Leucemia. Conhecida como o câncer das células brancas do sangue, a Leucemia inicia na medula óssea, podendo se espalhar nos gânglios linfáticos, fígado e outros órgãos do corpo. Este tipo de câncer é considerado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) como sendo um dos mais comuns, podendo ser dividido em 12 categorias, tendo quatro delas como as mais comuns: a Leucemia Mieloide Aguda (LMA); Leucemia Mieloide Crônica (LMC); Leucemia Linfoide Aguda (LLA) e Leucemia Linfoide Crônica (LLC).
As causas da doença ainda não são definidas, mas, assim como outros tipos de câncer, alguns fatores estão associados com aumento de risco para desenvolver a doença, como por exemplo: histórico familiar, tabagismo, exposição à radiação (radioterapia e raios X), doenças do sangue (policitemia vera e trombocitopenia essencial), exposição ao benzeno (solvente encontrado na fumaça do cigarro, na gasolina e largamente utilizado na indústria química) e tratamento prévio com quimioterápicos.
De modo resumido, o tratamento consiste em combater as células leucêmicas para que a medula óssea volte a produzir células normais, ao mesmo tempo em que as complicações da doença são controladas. No entanto, para cada tipo de leucemia existem abordagens terapêuticas específicas que são definidas com consentimento entre médico e paciente. Compreender os tratamentos disponíveis colabora para o entendimento da doença e a busca pela cura.
Doação de medula óssea: A expectativa de quem aguarda o doador.
Atualmente, mais de 5 milhões de pessoas estão cadastradas no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), sendo o Brasil o terceiro maior banco de doadores do mundo. Ainda assim, as chances de encontrar um doador compatível é de uma em 500 mil pessoas. Entre irmãos do mesmo pai e mesma mãe, a chance de encontrar um doador compatível é de 25%. Devido a essa estatística, quanto mais doadores estiverem cadastrados no banco, maiores serão as probabilidades de compatibilidade entre as pessoas.
Como posso fazer a doação?
Para se tornar um doador voluntário de medula óssea, é preciso ir ao Hemocentro mais próximo da sua cidade, realizar um cadastro no REDOME e coletar uma amostra de sangue (10 ml) para exame de tipagem HLA. Esse sangue coletado, com as informações pessoais do voluntário a doador, será enviado ao laboratório Redome, que realiza a análise das características para verificar a compatibilidade dos doadores com os pacientes.
Para efetivar a doação é necessário:
• Ter entre 18 e 35 anos de idade;
• Apresentar um documento de identificação oficial com foto;
• Estar em bom estado geral de saúde;
• Não ter nenhuma doença impeditiva para cadastro e doação de medula óssea.

Dr Fábio de O. Martin
Hematologista, Hemoterapeuta e Patologista Clínico
CRM: 105791 RQE: 34612 RQE: 34613

Compartilhar:

Outros Artigos:

Parceria em defesa do sono

A convite do presidente da Associação Brasileira de Medicina do Sono ABMS, Dr. Edilson Zancanella, a Associação Paulista de Medicina de Indaiatuba teve a honra

Tríade da mulher atleta

A Tríade da Mulher Atleta (TMA) é denominada uma síndrome caracterizada pela baixa disponibilidade energética, podendo estar ou não associada a transtornos alimentares, alterações menstruais

Imagine Picasso chega ao Brasil

Pela primeira vez no Brasil, “Imagine Picasso” promove uma viagem multissensorial pela vida do artista espanhol.Através de mais de 200 obras de arte, a exposição