Indaiatuba, 23 de Julho de 2019

Dúvidas? Entre em contato: (19) 3875-7200

O médico jovem e o futuro

Publicado em 24/06/2019 às 15h47

Autor: Dr. Gabriel C. Alvarenga - Diretor de Defesa Profissional



Não restam dúvidas para ninguém de que a medicina, não somente no seu aspecto científico e técnico, mas também econômico e social, vem numa transformação alucinante nesta última década. Nesse ínterim, também podemos notar que o prestígio de outrora se dissipou. A evolução tecnológica impõe rápidas e profundas mudanças nos processos e no mercado público e privado de trabalho, além de trazer grandes desafios na sua aplicação cotidiana em função de aspectos éticos, de relação de trabalho, de regulação e de judicialização. Novos conhecimentos e novos procedimentos a cada dia surgem trazendo discussões sobre eficácia versus eficiência, confrontados com custo, frente a uma demanda inquieta pela cura ou pelo lucro. O cidadão, quando não induzido, vem municiado na constituição pelo direito do consumidor e defendido por advogados e magistrados que ainda muito precisam de apoio para se apropriarem da especificidade e da complexidade da área médica. Enquanto isso, a judicialização a cada ano, vem superando seu próprio recorde. A situação tende a se agravar com a intencional massificação da formação médica com inquestionável viés econômico, num ambiente de total ausência de políticas governamentais que ponderem questões qualitativas, quantitativas e distributivas de formação de profissionais em função das demandas reais em saúde. Hoje esta problemática transcorre num ambiente de logística altamente deficitária com intensa incidência de uma legislação mais amigável ao poder econômico do que com o médico enquanto prestador. Este sim, cada vez mais vem privado das tão preciosas garantias trabalhistas evocadas na constituição brasileira e se viu pejotizado e penalizado nas discussões que dizem respeito á remuneração. Para uma reação adequada, ainda na medida do possível, precisamos fazer uma leitura correta dos fatores em jogo e de modo engajado. Precisamos nos interessar pelas políticas públicas na área de saúde e se for o caso, nos mobilizar nos casos mais sensíveis que trazem vulnerabilidades e danos irreversíveis pela precarização da atenção em detrimento de grandes interesses econômicos. Você, médico jovem, num horizonte não tão distante, corre sério risco de se tornar apenas um operário da saúde, vítima de uma variante da “cubanização” que todos nós sabemos como funciona.

APM News
Junho 2019

Localização

Av. Eng. Fábio Roberto Barnabé, 709

Vila Teller - Indaiatuba/SP

CEP: 13330-535

Contatos

(19) 3875-7200

(19) 3875-0092

apm.ind@uol.com.br

APM Indaiatuba © 2019 - Todos os direitos reservados | MaPa.