× Home Diretoria APM News Eventos e Congressos Classificados Clube de Benefícios Área do Associado Associe-se Publicidade Localização Fale Conosco
Indaiatuba, 30 de Novembro de 2021
Dúvidas? Entre em contato: (19) 3875-7200
Publicado em 22/11/2021 às 17:45:54
Categoria: Artigo
Políticas Públicas de Saúde


Os indicadores da pandemia COVID-19 em nosso país têm demonstrado uma redução drástica da doença e de seus efeitos. Isso se deve em grande parte à imunização da população por meio das vacinas, além da adoção de outras medidas de prevenção. Por outro lado, o aumento do número de casos e mortes em alguns países gera preocupação nos países onde ocorreu a redução, como é o caso do Brasil. Tal preocupação é algo natural e não deve provocar nenhuma forma de alarmismo, mas indica a necessidade da manutenção da política de imunização que proporcionou resultados importantes.

Políticas públicas eficazes são importantes em vários setores da vida no país e são ainda mais importantes na saúde pública. A exemplo de algumas situações ocorridas no enfrentamento da pandemia COVID-19, fica claro que a minimização do problema ou adoção de medidas ineficazes causa grandes prejuízos e sofrimentos no âmbito individual e coletivo.

Recente estudo elaborado pelo Harm Reduction Consortium, que reúne organizações que defendem a chamada política de redução de danos, onde foram estudados 30 países colocou o Brasil em último lugar no Índice Global de Política de Drogas, conforme publicação do site UOL dia 8 de novembro. 

A questão do enfrentamento do consumo de drogas envolve múltiplos aspectos, incluindo questões de saúde e de segurança pública, porém se faz extremamente necessária a elaboração de políticas eficazes no controle deste grave problema. 

A elaboração de políticas públicas exige a intervenção de múltiplos agentes e deve ser sempre elaborada de forma coletiva, ouvindo-se especialistas das áreas envolvidas na questão. Nesse sentido, torna-se muito necessário que as sociedades de especialistas sejam consultadas e respeitadas em seus pareceres, evitando-se posicionamentos individuais. 

A Associação Médica Brasileira congrega as sociedades de especialistas em nosso país e poderá contribuir para elaboração de políticas públicas baseadas no melhor de nosso conhecimento científico.