× Home Diretoria APM News Eventos e Congressos Classificados Clube de Benefícios Área do Associado Associe-se Publicidade Localização Fale Conosco
Indaiatuba, 30 de Novembro de 2021
Dúvidas? Entre em contato: (19) 3875-7200
Publicado em 25/10/2021 às 10:15:10
Categoria: Artigo
A defesa da vida e da saúde


As entidades médicas têm um histórico de unidade na defesa da profissão médica e na defesa da saúde da população nas últimas décadas. Nos últimos anos, entretanto, tivemos grande dificuldade em buscar posições de consenso na defesa dos mesmos objetivos. 

Questões ideológicas e político-partidárias deveriam permanecer afastadas de nossas lutas, conforme nossa tradição, e deveríamos nos ater a pautas consensuais na defesa da profissão e do trabalho do médico, valorizando uma formação de qualidade e uma ação em defesa da saúde comunitária baseadas no melhor de nosso conhecimento científico e na ética médica.

Nos últimos anos, desafortunadamente, polêmicas de natureza política e ideológica têm ameaçado nossa unidade na defesa de nossa profissão e atuação. Tais ameaças não chegaram a atingir nossa atuação de forma majoritária, porém estas ocorreram em número não desprezível de casos. 

Necessário se faz que possamos nos afastar de quaisquer divergências que não tenham relação estrita com nosso trabalho e nossa missão. Questões de natureza científica devem ser discutidas em âmbito próprio, bem como devemos realizar todos os esforços para que questões outras, que não a defesa de nosso trabalho e profissão, interfiram na atuação de nossas entidades. 

Os papéis de cada entidade médica sempre foram claros e previstos em seus estatutos. Suas atuações sempre se pautaram pelo estrito cumprimento dos deveres e sempre atuaram de forma harmônica na busca de seus objetivos. Não podemos permitir que eventuais instabilidades no aspecto político venham interferir em nossas atuações. 

Nossas lutas têm um longo histórico na defesa da saúde e na defesa da vida. Nossos valores maiores sempre foram colocados acima de divergências circunstanciais e precisamos lutar para continuarmos o caminho traçado por nossos antecessores na defesa do trabalho médico como uma profissão que dignifica a vida e a humanidade.