× Home Diretoria APM News Eventos e Congressos Classificados Clube de Benefícios Área do Associado Associe-se Publicidade Localização Fale Conosco
Indaiatuba, 05 de Agosto de 2020
Dúvidas? Entre em contato: (19) 3875-7200
Publicado em 20/07/2020 às 09:34:09
Por: José Roberto Éffore - Atenas Assessoria Empresarial
Categoria: Notícia em Destaque
Um sonho possível


O Observatório Febraban da Federação Brasileira de Bancos, estuda o comportamento e a visão da população sobre vários temas que impactam o nosso país e nesta pesquisa eles tem procurado identificar medos e incertezas na retomada das atividades econômicas no Brasil em virtude da pandemia.
Realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPESPE) a pedido da FEBRABAN, pesquisadores ouviram mil pessoas representativas da população adulta que tem contas bancárias, de todas as regiões do Brasil entre os dias 1º e 3 de junho.
Foi observado que 49% dos entrevistados acredita que sua vida financeira irá regredir ao que era a um ano atrás. E destes, um grupo mais otimista acredita que em 6 meses retomarão o crescimento.
Dos entrevistados 37% acreditam que irão diminuir as viagens por medo de contaminar-se pela Covid-19, também pelo mesmo motivo 27% pretendem aumentar o trabalho em casa e, dos ouvidos, 28% pretendem usar mais os serviços delivery e pretendem aumentar as compras feitas via e-commerce.
O resultado final do Observatório aponta para um otimismo entre a população de clientes que usam a rede bancária no Brasil. Outros números mostram que 78% dos pesquisados pretendem manter ou aumentar suas compras em supermercados, outros 66% pretendem manter a assiduidade nos salões de beleza e os números de entrevistados é superior a 50% dos que pretendem continuar frequentando bares, restaurantes e shoppings.
Como banco sempre acerta em suas previsões e tem uma visão muito privilegiada do futuro da economia dos países, acho que podemos acreditar que melhores tempos virão. Como nas corridas de Fórmula Indy e Fórmula 1, a relargada propicia que retardatários ocupem melhores lugares na volta à corrida; pode ser que alguns países se aproveitem desta parada para tomar fôlego, consertar o que precisa ser mudado e após a nova largada cheios de esperança, saltar para os primeiros lugares.
Se nossos governantes aproveitarem esta retomada pode ser que sejamos protagonistas na economia mundial. E quem sabe, rumo ao podium. Será?